© Paulo Abreu e Lima

sexta-feira, 9 de novembro de 2012

matando de uma vez por todas a charada


Por razões várias, que não interessam ao menino Jesus, há muito que quem me lê sabe o quanto sou irregular no exercício da escrita. E quem não sabia vai descobrindo, Q.E.D. Há uma frase de Mário Zambujal, esse simpático bom malandro, que melhor define a minha posição perante este e todos os outros blogues por onde passei: «a liberdade de escrever deve ser tão grande como a liberdade de não escrever». Deixando-me de mais justificações, vamos então saber a resposta ao meu anterior desafio.

As três fotografias foram tiradas na elegante ilha do Faial. A última é a Praia de Porto Pim, uma lindíssima baía, em frente à cidade da Horta, galardoada no ano passado com o prémio EDEN (European Destinations of Excellence). Avista-se do Monte da Guia, integrado no Parque Natural do Faial, mas onde não existe qualquer túnel. A segunda fotografia foi tirada no Parque Florestal do Capelo, a oeste da ilha, onde persiste uma grande abundância de floresta laurissilva, típica das ilhas da Macaronésia (Açores, Madeira, Canárias e Cabo Verde). Nele, podemos observar muitas grutas de origem vulcânica, a mais famosa delas denominada Gruta do Parque do Capelo. Fantástica, mas sem saída para lugar algum - Ok, confesso que a cor do chão avermelhado foi uma armadilha para os mais atentos... Por último (primeira foto), surge a enorme Caldeira do Faial, inserida no Trilho dos Dez Vulcões, no centro da ilha, é perfeitamente circular, com um perímetro de dois quilómetros e uma profundidade de meio quilómetro. Antes das erupções do famoso Vulcão dos Capelinhos (1957/58), suportava uma lagoa permanente que vazou pelas enúmeras fendas provocadas pelos sismos e subsequentes movimentações geológicas. Na zona sul da cumeeira da cratera existe um pequeno túnel que nos conduz para o seu interior. A sensação é indescritível, parece que entramos para um camarote de tapete rubro envolto em brumas e assistimos ao silêncio telúrico emanado daquele anfiteatro de vegetação luxuriante. Apesar de tudo, permaneci o tempo suficiente para conseguir ouvir rugidos, zangas e rosnados mal ensaiados entre Vulcano e Vénus.






14 comentários:

  1. Afinal, a minha intuição estava certa, o que me deixa verdadeiramente contente. :)))
    Tem razão quanto à "liberdade de escrever" e a escrita não pode ser nunca uma obrigação.
    Mas eu adoro o seu blog, Paulo, que me atreveria a dizer que é o mais bonito de todos so que visito. Por tudo: pelas fotografias magníficas, pela sua maneira de escrever de que eu também gosto muito, pelas as coisas que diz e com as quais concordo na maior parte das vezes.
    E, se calhar, a irregularidade acaba por ser também um dos seus encantos... ;)
    Beijinhos
    Isabel M.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ó Isabel, por favor: vou buscar o segundo balde para a baba :))
      Obrigado é pouco...
      Beijinhos,
      Paulo

      Eliminar
  2. Ahhh, acertei!!! Faty/Fatima Laouini
    Volto mais tarde:)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois foi :)
      Deixa estar, eu já vou ter consigo também.
      Bjs

      Eliminar
  3. I was right at the beginning....

    Mais um dia e eu teria optado pela 3ª...é o retrato da minha falta de constância:)

    Quanto à tua em escreveres no blogue, bom, isso é como receber o vencimento. Quem nos dera recebe-lo todos os dias, mas ele só vem uma vez por mês, há que aguentar!!

    Tenho de ir aos Açores....

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mais uns dias e, certamente, teria optado por me esganar :))
      Beijos Amigos

      Eliminar
  4. Teria ido para a praia, confesso. Todas são lindíssimas. Esta, especialmente, e sabendo-a então guardadora de tão secretos murmúrios, parece-me ainda mais bela. Quase que oiço...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não sei, CF. Eles de longe trovejavam, ribombavam, bradavam. Ao perto não sei que coisas partiam... :)
      Beijos,

      Eliminar
  5. Respostas
    1. Eu sei que a Helena sabia... Hm-hm :)
      Abreijos,

      Eliminar
  6. Simplesmente lindo!
    Dos Açores só conheço a Ilha das Flores. Percorri a pé o que o meu corpo permitiu durante 10 dias. Ficou uma vontade enorme de voltar.
    O dia ainda não chegou mas ... há-de chegar!
    No entretanto, fotos como esta deliciam-me a alma!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sem dúvida que a pé é muito melhor, Maria João, mas só tinha dez dias para ver as quatro ilhas e em cada uma delas tinha um todo-o-terreno para desbravar caminho. Mas os caminhos pedestres foram sempre os melhores...

      Há-de voltar, sim :)

      Eliminar
  7. O meu amigo põe umas pernas sexy e depois corta os comentários? Não devia...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Minha querida amiga, umas pernas sexy muito comentadas são como os medronhos aos olhos dos passarões...

      Eliminar