© Paulo Abreu e Lima

segunda-feira, 25 de agosto de 2014

E o australopiteco sou eu

(retirado ao acaso do Google)
Por razões que mesmo sob tortura me recuso a responder fui ver Lucy. Que Morgan Freeman e Scarlett Johansson tenham aceitado participar neste filme de Luc Besson, enfim, até p€rc€bo. O orçamento de 40 milhões é curto, mas um bom quinhão terá acolchoado as suas contas bancárias. Agora, eu ter emborcado a esparrela assim de chofre, faz-me lembrar a cena dos baldes de água gelada. Sem beneficência alguma.

15 comentários:

  1. Ahah! Ainda bem que avisa, Paulo. Estive mesmo para ir ver este filme no fim de semana e à última da hora a opção acabou por ser "A Imigrante". Pelo que vejo (leio) fiquei a ganhar com a troca. E gosto sempre de ver Marion Cotillard, ainda que não seja o papel da sua vida, isto é já a vi fazer outras coisas de que gostei mais. Mas enfim, sai-se sempre bem...

    Beijinho :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Há muitos, muitos, anos que não via uma coisa tão má, Isabel. É que não há ponta por onde se pegue. Uma grande banhada!
      Beijinho :)

      Eliminar
  2. ( aposto um dedo mindinho, em como a foto não foi retirada ao acaso...)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. (vá, pronto, fica lá com o mindinho... :)

      Eliminar
  3. Já me ri :) :) Aquele percebo está de mestre :) Mas olhe, Paulo, não sou fã desta atriz, nadinha. Pode ser - é - linda, sexy, etc, mas não me convence. Sai uma Kate Winslet, por favor :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois, Fátima... não falo exactamente da actriz :))

      Olhe, uma actriz e mulher que me tira do sério e tenho "selfies" com ela quando veio a Portugal filmar: Meryl Streep. São mais 8 centímetros de Mulher.

      Eliminar
  4. Bem feita!!! Porque os homens adoram essa loira que já foi ruiva e castanha, gostam da sua boquinha de boneca e do ar de virgem ingénua, vagamente capaz de um monte de coisas que não explicito porque só cabem no imaginário masculino. O nosso é menos fantasista e mais objectivo :-))
    Àquela moçoila falta-lhe textura, que é algo indefinivel e ou se tem ou não se tem. Ela não tem. A Bacall, a Hepburn, a Bergman, tinham. Eram de outra loiça!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ahahahah...

      A propósito da "moçoila", disse-lhe, a 18 de Novembro de 2011, aqui isto: "(aqui, que ninguém nos ouve, vou explicar o efeito que a SJ tem nos homens: tem aquele ar meio ordinário que tanto procuramos na cama; aquele "it" que nos desafia como stalkers; aquela esperteza, não inteligência, que nos cutuca a líbido; aquele ar transtornado e desalinhado que nos tira a pose; aquele ar frágil, níveo mas de pecado que nos pode levar à loucura. SJ é sexo puro. Pronto, eu não escrevi isto, certo...?:))"

      Ao que a amiga Helena, concordando, foi mais além: "Caro Paulo
      Você anda mesmo inspirado. Isso, aos 40 anos pode ser fatal. Conheci alguns casos...
      Agora a sério - o resto também foi - a sua descrição de SJ está perfeita. Ela é a mistura de tudo isso. Ou seja, é uma Mulher mesmo!"

      Pergunto: o que a fez mudar de ideias em três aninhos, hum...?

      Todas essas actrizes que refere são divas, esta é de carne e osso :-)

      Eliminar
  5. Não mudei. Ela é mulher mesmo. Apenas lhe tirei o m grande, que não devia ter usado. Ela representa a mulher dos dias de hoje, de carne e osso.
    O que não quer dizer que aprecie o género. Para ser Mulher - com o tal M - falta-lhe envólucro anímico, aquilo que dá à paixão a dimensão de eternidade.
    E que têm Chiara Mastroiani, Jennifer Lawrence, Charlize Theron. Ou Isabelle Hupert, Adjani e Audrey Tautou. São "peças" de primeira!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ó Helena, mas ela tem um belo involucro que anima muito homem (h pequeno para condizer). Foi, por exemplo, considerada pela primeira vez em toda a existência da Esquire duas vezes a mulher mais sexy do mundo (2006 e 2013). Por mim, aquela ascendência dinamarquesa tira-me do sério... :-)))

      Eliminar
  6. Paulo, tirá-lo do sério será o mínimo...
    :-)))

    ResponderEliminar
  7. Bom dia caro Paulo ☺
    Confesso que também fui ver este filme, logo no dia da estreia, à espera de algo surpreendente... Não me pergunte o porquê... Talvez pelo facto do Morgan Freeman participar e achar que só por isso já valia a pena.
    Os homens ainda tiveram onde entreter as vistas, já as mulheres... enfim, banhada total e dinheiro mal gasto!
    Venha o próximo ☺

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Bom dia, cara Anita ☺,

      Então mas não gostou de todos aqueles chineses mauzões, hum? :))

      Eliminar
    2. :D nem por isso ahahah

      Eliminar