© Paulo Abreu e Lima

segunda-feira, 10 de novembro de 2014

ruído

O silêncio foi talvez a minha aprendizagem mais demorada.  Não era intrínseco em mim, não me nascia perante o calar alheio, incomodava-me ter de enfrentá-lo. Quantas vezes arranquei palavras ao adolescente apagado, outras tantas invadi a intimidade sossegada de quem se queria guardar, muitas outras considerei, ambiciosa e iludida, que as minhas frases acomodariam a dor de quem a sentia, aninhariam o corpo de quem me escutava, silenciavam, aí sim, o sofrimento, que morreria de morte matada, logo ali. Tudo esperança. Tudo mera projecção, auto-sublimação, um sem número de erros que deveriam ser punidos com horas de aprendizagem, eventualmente meditação. Não foram, foi o tempo que me castigou e ensinou. Com os meus silêncios, com as minhas precisões. O silêncio é hoje um dos meus aliados terapêuticos, um dos meus refúgios, um dos meus encontros, uma das minhas mais puras manifestações. Isto para dizer, entre outras possíveis conclusões, que a vida é um equilíbrio entre grandezas inversas. Daqui deverei apreender o óbvio que ainda me falta: jamais conseguirei calar ruídos incómodos.

12 comentários:

  1. Infelizmente o silêncio absoluto quase não existe.
    Por vezes pelas 4-5 da manhã, a minha rua está silenciosa, mas ouvem-se entõ os ruídos da casa, o frigorífico, os móveis, etc. Quando quero silêncio oiço música pelos meus auriculares. Sobrepôe-se ao ruído. É um silêncio melodioso.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O silêncio puro será sempre uma utopia, julgo eu. Há sempre ruído, nem que seja pouco, nem que seja interno...

      Eliminar
  2. Paulo
    É mesmo isto. Hoje pensámos o mesmo, porque escrevi sobre o silêncio!
    Bjo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Parece então que sim, Helena, e irei já de seguida espreitar o que diz sobre o assunto...

      ( Só um pequeno pormenor escondido: sou a CF. Mas estou em crer que o Paulo também é apreciador do dito... :))

      Beijinho...

      Eliminar
    2. Minha querida CF
      Só você para me fazer dar uma gargalhada com o seu parentesis. Esta cabecinha pensadora tinha visto o seu post anterior, em que lhe mandou um beijo especial, mas entendeu que este era do Paulo. Olhe que isto psicanalisado mostraria quão perto estão os dois!
      Beijinho

      Eliminar
    3. (A psicanálise é uma ciência de uma grandeza tremenda...)

      Eliminar
  3. «...Daqui deverei apreender o óbvio que ainda me falta: jamais conseguirei calar ruídos incómodos.»

    ...

    Principiei por tentar, mas não fui capaz de acompanhar o seu raciocínio. Não creio que seja por defeito, mas - lá está!... - a perfeição continua a ser uma tarefa hercúlea.

    Voltando aos ruídos incómodos, parece-me que depois de sentir o cheiro do silêncio, os ruídos que pulverizam o dia-a-dia, assemelham-se àqueles pingos de chuva que algumas pessoas não têm dificuldade em evitar. O silêncio - o que se escuta nos búzios - transforma os ruídos em simples rumores. Inócuos. Sem cheiro.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. driftin, tão simples quanto: para haver silêncio, é preciso haver ruído. Ou ainda, para apreciarmos o silêncio apaziguador, necessitamos de conhecer o inverso...

      A perfeição não existe. Tal como não existe o silêncio absoluto.

      Eliminar
  4. Eu ainda estou na fase do castigo e ensinamento.:) O caminho não é nada fácil.
    Não há dúvida que a vida nos ensina muito.
    Quanto a calar ruídos incómodos ... aí então, ainda tenho muito para aprender. Insisto em tentar calá-los embora saiba que estou a fazer o impossível. Asneira minha.



    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Maria João, no caminho estaremos sempre todos... :) E não é fácil, claro que não...

      ( Os ruídos incómodos fazem parte, digo eu. Calá-los seria eventualmente um erro tremendo...)

      Eliminar
  5. CF
    Já me esquecia. Dei pela troca da ordem dos donos desta casa...
    Bjoca

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. :) beijinho para si também...

      Eliminar