© Paulo Abreu e Lima

quinta-feira, 14 de janeiro de 2016

Abluções (3)


Deseja-se saúde com demasiada leviandade, como uma bucha para completar um desejo, um jargão icónico de Bom Ano, Feliz Aniversário, copos de champagne. Deseja-se saúde por tudo e nada, certos de que fica bem e não compromete. A imprudência está na leveza do desejo e ligeireza dos votos. Saúde, como paciência, não é do domínio da pertença, mas da existência. Há palavras às quais não se deve retirar gravidade sob pena de deixarem de existir.

14 comentários:

  1. Desejar saúde para si e para os outros, assim como Paz, é um pouco utópico, mas soa bem.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Soa melhor a quem deseja do que a quem é destinado - e a Virgínia sabe disso. Principalmente na ausência dela. Enfim...

      Eliminar
  2. Desejar saúde é como desejar felicidade. A questão da educação banaliza as palavras, nunca pensaste nisso? - Estás Desejamos tudo de bom, sem saber realmente o que isso é ou representa, para a pessoa em questão, e sem saber até o que efectivamente lhe queremos... No campo dos afectos, felizmente, tudo se reorganiza. É lá que supostamente somos nós próprios e também é lá que usualmente o que nos desejam nos interessa, e corresponde à verdade... Será que me expliquei?... :) Agora, sou capaz de não dizer saúde a alguém de quem gosto. Quero que aconteça, faço por isso, dedico-me.

    Em suma, desejar saúde é como dizes um voto banal, como qualquer outro que não apresente intenção...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É daquelas coisas que tanto cabem num desejo genuíno e sentido quanto na polidez de qualquer cretino. Talvez por me encontrar numa situação do foro privado mais complicado me sinta mais susceptível. Enfim... :)

      Eliminar
  3. Não vejo nada de mal em desejar Saúde em primeiro lugar.Está muito enraizado na cultura católico-cristã como o 'ADEUS' está na pagã.Aproveito para desejar um excelente 2016, com muita saúde!... XD

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Lá está, Marta. Esta, como outras palavras, banalizou-se pelo costume.
      Obrigado e igualmente.

      Eliminar
  4. Paulo
    A falta de saúde só mostra a nossa leviandade. De facto, quando a temos, raramente damos por ela ou até a agradecemos...
    Bjo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É sempre a mesma coisa, Helena: só damos valor ao que não temos; só pensamos nas coisas quando nos acontece e só proferimos banalidades ao que nos sobra...
      Beijo amigo.

      Eliminar
  5. É verdade que as palavras repetidas automaticamente soam esvaziadas de sentido, de intenção, tornando-se meras formalidades. E isto pode ser aplicado a tudo o que se deseja aos outros – saúde, vida longa, prosperidade, amor… Proferidas irrefletidamente, tornam-se volúveis, líquidas e avulsas de sentido, quase descartáveis. Falta-lhes compromisso, falta-lhes autenticidade. Todos as ouvimos e lemos diariamente na correria das horas. Apesar de compreender o que quer dizer, pessoalmente, não me importo que me desejem saúde (será porque me sinto com ela?). O que me incomoda é a falta de palavras afetivas, autênticas e sentidas. Palavras que oferecem hospitalidade sincera. Aquelas nas quais nos podemos aninhar e consolar. Prefiro que não me desejem nada a ouvir palavras pejadas de trivialidades, que obedecem à checklist quotidiana de alguém que, na hora seguinte, já se esqueceu do que acabou de dizer. Todas as palavras deviam ter um sentido de comprometimento. Comprometimento com o que sentimos e desejamos.

    Um beijinho, Paulo :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Completamente de acordo, Miss Smile. E digo mais: toda a palavra sob a forma de desejo deveria ser um compromisso velado de afecto.

      Beijinho, bom fim-de-semana :)

      Eliminar
  6. Paulo, no fundo, com um ou outro "está bem, mas..." concordo que tudo o que aqui é dito e em particular com o que dizem a Helena e a Miss Smile. E se é verdade que muitas vezes se dizem muitas coisas de forma mais ou menos leviana (até "amo-te", eventualmente), também não é menos verdade que no fundo isso não retira "gravidade" ao que elas significam de facto. Tudo depende da "circunstância" de cada momento e de cada um, que é a palavra que está hoje na ordem do dia.
    Por mim, acho que não há nada mais precioso que a saúde (só talvez a vida), e lembro-me disso muitas vezes, quase todos os dias.

    Beijinho :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu sei que se lembra, Isabel, eu sei...

      Beijinho :)

      Eliminar
  7. hum, uma visão diferente, porém gosto de saber que me desejam saúde e gosto assim de a desejar a outros, sem saúde não se faz nada nesta vida ! :)
    que venha dai uma boa semana, beijinhos!

    ResponderEliminar