© Paulo Abreu e Lima

segunda-feira, 26 de maio de 2014

como as cerejas

A minha bisavó vendia cerejas. Sempre poucas caixas - dizia-me -, caixas a mais dá um ar de fartura, fartura a mais é demasia. Pousava a caixa na berma da estrada, retornava à pobre casinha que existia ao alto, sentava-se a tecer tapetes entrançados e levantava a vista quando alguém afrouxava, de carro ou apeado. - São frescas senhores. Só tenho essas, é de aproveitar. Rosalina de baptismo e Francisca por minha manifesta vontade (em virtude do casamento com Francisco), era mulher de negócios. Mais magra do que uma Olívia Palito, maior do que a aldeia toda junta, uma enormidade, um avanço na era dos homens, uma matriarca, uma autêntica excepção (não lhe herdei coisa nenhuma).

Vou falar delas, de mulheres. O facto insignificante de eu ser uma delas não me tira nem me dá direitos, permite-me unicamente uma visão ampla vista de um dos lados, o lado de cá, inserido num mundo de outros locais, a minha ideia do mundo, e ainda de outros géneros, o lado de lá.

A analogia à cereja, será por vós perdoada, julgo eu, caras senhoras. É claro que não se vendem mulheres em caixas de madeira, nem mesmo as mais maduras, as grandes, as que se denominam de gente da séria e da boa. É certo, tenho cá as minhas cismas, é um caso pertinente, passível de avaliação. E por isso não estimo superioridades ideadas, baseadas na idade e na suposta consistência e aparência, não aprecio postos apenas ligados aos anos passados, ao local onde se julgou chegar. Uma limitação minha, pode ser o facto. Mas é que surge-me ainda, não raras vezes e no seguimento, a questão da elegância. Um termo abrangente que pressupõe descrição, não há distinção sem o tal do saber estar e do saber ser, são requisitos subsequentes. Neste campo a noção de valor excessivo e de oferta excessiva, e voltando à cereja, pode ser um problema maior. Pode entregar a mulher a um burlesco absurdo e desapropriado, capaz de tolher bons sapatos de salto, saias travadinhas, pérolas verdadeiras e casacos de bom corte (para além das palavras caras misturadas com um jeito perspicaz e sapiente de gamar a gíria adolescente). As mulheres que julgam que é assim que são muito grandes, podem até estar enganadas. O tamanho da grandeza é coisa relativa, mais ou menos como o peso da beleza, o poder da fama, o valor do dinheiro e a força da atracção.

A inteligência emocional é neste seguimento uma verdadeira questão iminente, que invoca consideração. A excessiva auto-confiança, conjuntamente com a entrega em modo de urgência, sem despacho, requerimento, selo ou envelope fechado, pode ser um caso de análise, quase tão grave como a falta de estima própria. Pode fazer com que a abastança da pompa aniquile a genuinidade e o outro lado da vontade. Tenho para mim que não há no mundo maiores enganos do que este: o da presunção de se ser bom, fantasioso e construído, consciente, muito mais do que aspirante, do que se é e do que se pensa ser. Dá vontade de dizer a essas mulheres, que não se devem medir aos palmos. Nem aos anos, nem aos quilos, nem à formação académica ou a devaneios de altivez. Não há unidades de medida exacta quando se avalia gente, senhoras, há um conjunto de variáveis intervenientes, há quem dá e há quem recebe, há quem queira e há quem não queira, legitimamente e sem recurso a construção. O resto é pura imaginação.


Só para terminar, e voltando às cerejas: muita oferta baixa o preço e a vontade do comprador. Muito pregão e o povo não pega, não aprecia, cheira a barato, sabe a oferecimento à-toa, parece pouca procura e sobejo, sente-se congestão. No fundo o que se consegue, vai no sentido oposto ao pretendido (parece-me, claro, longe de mim querer ensinar).

10 comentários:

  1. Certo tudo o que diz, CF. Mas, pergunto: tudo isso não será válido também para os homens, pese embora todas as diferenças inerentes ao género?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eventualmente Isabel. Mas eu aqui falo de mulheres...

      Eliminar
    2. Pronto, pronto... ;)

      Beijinho e... até um dia destes :)

      Eliminar
  2. Carla
    Belo texto. De quem sabe!
    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada Helena. Mas olhe que aqui sabe-se pouco. Observa-se é muito... :)

      Abraço para si também.

      Eliminar
  3. TERESA PERALTAmaio 27, 2014

    CF, concordo com tudo. Uma boa reflexão. E, com grande poder de observação!...:)
    Beijinho e até breve. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada Teresa. Até breve... :)

      Eliminar
  4. Ainda ontem conversava com a minha irmã sobre as nossas filhas, e as adolescentes ( ups!!! algumas adultas e não adolescentes! ) em geral. Tenho muito medo que um dia acordem e percebam que ... estão sozinhas!!!
    Que bem que lhes fazia ler, reler, e reler, e reler este seu texto!
    Posso estar errada, mas para mim tudo o que este texto fala se encaixa certinho nas mulheres, e com maior incidencia nas que hoje têm entre 16 e 35 anos ... embora ao longo do texto todas nós podemos ( devemos! ) "enfiar um pouco a carapuça" ;)
    Beijinho CF e mais uma vez parabéns

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Maria João, obrigada. Enfiar a carapuça dói sempre um bocadinho. :) Sabe, acho que por vezes temos dificuldade em perceber certas fronteiras, e é exactamente aí que a subtileza deve falar mais alto... Mas isto é apenas um ponto de vista. Vale o que vale.. :))

      Beijinho para si.

      Eliminar