© Paulo Abreu e Lima

terça-feira, 7 de abril de 2015

Seres peregrinos

 
Por estas terras permaneço tranquilo, compenetrado, como a cegonha lenta no alto do choupo morto a tecer o ninho, oiço os líquenes a verter pelas pedras e a poeira assente pelos reguengos. Acordo às quatro da madrugada quase todos os dias, arranjo-me, sorvo uma malga de café indiano e saio porta fora pela estrada. Persigo o Sol que ainda não acordou, os pássaros que ainda repousam em manchas escuras nas azinheiras e as salamandras húmidas e solitárias que voltam às luras dos pequenos carreiros. Por vezes a calma é um bem escasso, muito valioso numa cabeça amotinada, varrida por demónios que me escaldam as veias. E, contudo, por onde quer que vá, do lado oposto ao Sol, sei-os comigo esfregando as mãozinhas cadavéricas danados por uma cólera, por uma espera desavisada ou uma retumbante contenda. Às corjas não se diz não, não se fitam os olhos; não lhes encostamos a ponta do florete alardeados em espadachins. Porriginosas, aperaltam-se pelo valor facial, lustram os seus galhardetes e, lestas, confundem e cegam. Aos nossos demónios devemos dizer sempre sim, que os compreendemos, que são robustos e grandiloquentes. É desígnio de pouca dura, aos primeiros raios solares mingam, encarquilham-se de vergonha e surtem em pó. E por vezes não voltam.

6 comentários:

  1. É bom sabermos exorcizar os nossos demónios.

    Boa tarde. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Melhor é saber-lhes as fragilidades.

      Boa tarde :)

      Eliminar
  2. É um texto muito bonito, Paulo, e algo perturbador, também. Como a vida!

    Beijinho :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Todo o mal humano é perturbador, Isabel.
      Beijinho :)

      Eliminar
  3. Ora aqui está uma pequena mentira dita aos nossos demónios. E por uma boa causa. ;)
    Beijinho Paulo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E nada caridosa ;)
      Beijinho, Maria João

      Eliminar